segunda-feira, 22 de junho de 2009

Brincadeiras formaram meu caráter

Fogo?que fogo?Não sei de fogo nenhum...

Com a chegada das festas juninas aqui no Nordeste, lembrei da minha infância e de algumas brincadeiras "pouco comuns" que fizeram parte da minha formação.Claro que como toda criança eu brincava de pega, esconde-esconde,barra - bandeira, etc.Porém existe um tipo de brincadeira que é comum em grupos mais antigos de amigos(amigos de infância).Uma delas é a famigerada Mão negra e licença.Não conhece? vou explicar:
No grupo, quem falar um palavrão deve dizer mão negra, e se for sentar ou encostar em algum lugar deve pedir licença.O que a brincadeira tem de simples tem de violenta.Digamos que você no meio de um jogo de futebol solte um PORRA e esqueça de dizer a palavra salvadora.Bem, sendo assim, seus amigos tinham liberdade para de encher de bancadas até que você gritasse, Mão negra.Funcionava do mesmo jeito com o "licença".Era relativamente fácil lembrar das palavras no inicio, porém depois de um mês você esquece, e fica sujeito a tomar uns sacodes da turma pra tomar juízo.
Outra brincadeira no mesmo nível era a do babau*.Também era bem simples e muito mais violenta que a anterior.Funcionava assim:
Caso você falasse da mãe de alguém ou chamasse um amigo pelo apelido, era sujeito ao babau.Não tinha lugar nem hora para tomar a punição.Lembro de ter tomado um babau em casa, bem na frente da minha mãe.
Hoje vejo que esse tipo de "diversão" me ajudou a lidar com a disciplina e o respeito.Até hoje fico meio sismado em tomar um tapa depois de falar um palavrão.

Dica - Tente brincar com seus amigos mesmo depois de velho, pois a incidência de palavrões nas conversas são bem maiores.
*Babau - Uma pessoa fica dentro de um circulo formado pelos "amigos" e deve contar até 10 pausadamente enquanto toma pancada.

Sem revisão, sem gramática, sem pontuação.

3 comentários:

Gilgomex™ disse...

e eu que pensava que "pabuf" era uma brincadeira sacana... (Consistia em gritar Pabuf quando alguém estava com algo na mão e se apossar do objeto...). Essas brincadeiras aí nunca chegaram por aqui. Se bem que eu não falava palavrão quando era criança... Minha própria mãe fazia questão de me espancar, caso eu soltasse qualquer palavra de baixo "escalão", como já diria Theo...

Bridget Jones disse...

Vixe Thiaguito...

Eu, infelizmente não tive este tipo de amigos disciplinadores para que me auxiliassem a não falar palavrões. Não que eu fale muitos, mas receio eu não tenho não.

Mamãe Jones dizia que eu não podia e Papai Jones falava (fala, no presente) o tempo todo. Imagina como eu não era uma criança confusa...

Mas enfim, hj sou adulta e equilibrada. A não ser pelo fato de nunca saber se eu devo falar um palavrão ou não.

Na dúvida eu sempre solto um Scheiße em alemão.

Gerundino disse...

Porra... eu ia tomar muito tapa na cabeça e apanhar até a morte pois nunca ia lembrar a palavra...

Qnd tu falou em fogo, achei que tinha tacado fogo na carteira da escola assim como eu, hahaha. Brincadeiras ajudaram a formar meu carater.